FLORES SEMPRE-VIVAS DE DIAMANTINA GANHAM DESTAQUE NAS NAÇÕES UNIDAS

Graças à atividade das Comunidades Extrativas de Apanhadores de Flores Sempre-Vivas, Diamantina foi o primeiro município do país a ter uma atividade indicada para o programa de Sistemas Agrícolas Tradicionais de Relevância Global da FAO (Organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura). O programa, criado em 2002, tem o objetivo de preservar sistemas agrícolas marcados pela harmoniosa interação entre comunidades tradicionais e o meio ambiente, mas só agora ao Brasil. O sistema agrícola dos apanhadores de flores envolve comunidades de Diamantina e de outros dois municípios onde eles se encontram.

A conquista da indicação pela FAO foi apresentada ao prefeito Juscelino Roque, na tarde desta sexta-feira, dia 24 de novembro, em reunião com as apanhadoras de flores, que estão recebendo acompanhamento de pesquisadores para a elaboração de um dossiê, que servirá de base para pleitear o Selo da FAO. Este selo significará para Diamantina o título de Patrimônio Vivo. Em 1999, o município foi declarado Patrimônio da Humanidade pela Unesco (Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura).

O título foi pleiteado pela Comissão das Comunidades Extrativas de Apanhadores de Flores Sempre-Vivas (Codecex). “Patrimônio é vida. Atrás dos casarões tem arte, tem música, tem culinária. Temos de valorizar a nossa gente, a nossa identidade”, declarou Juscelino Roque. O prefeito se colocou à disposição da Codecex e dos pesquisadores no que for necessário para a obtenção do Selo.

A pesquisadora e agrônoma Fernanda Monteiro, da Universidade de São Paulo (USP), uma das apoiadoras do projeto, ressaltou que o objetivo das Comunidades Extrativas de Apanhadores de Flores Sempre-Vivas é a manutenção dos territórios tradicionais, do reconhecimento social dos apanhadores de flores, o respeito aos seus direitos, o acesso a políticas públicas diferenciadas e o incremento de renda pelas flores sempre-vivas. Segundo ela, há 240 espécies de flores e frutos na região de Diamantina.

Já está marcada para o dia 15 de dezembro uma nova reunião com o prefeito, quando também estarão presentes representantes da FAO e da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), que auxilia o programa no Brasil. Também integra o projeto o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan). O encontro ontem com o prefeito foi marcado pela secretária municipal de Cultura, Turismo e Patrimônio, Márcia Betânia. “É um processo muito longo, mas fica o desafio de escutar e atender ao pedido das comunidades”, declarou. Também participaram da reunião as secretárias de Desenvolvimento Agrário e Meio Ambiente, Márcia Elisa, e de Desenvolvimento Social, Maria do Carmo Ferreira, a Cacá, representantes do Conselho     Municipal de Patrimônio, entre outros.flores flores 2 flores 3 flores 4 flores 5